quinta-feira, 26 de março de 2015

Pesquisa mostra que mercado imobiliário terá expansão

Em Blumenau, 19,65% dos lares são apartamentos. Foto : Aerofoto Blumenau 
Em dez anos Blumenau terá 24 mil novos domicílios. Destes, 11 mil serão apartamentos.
Os apartamentos se valorizarão cada vez mais. Em 2000, eles representavam apenas 11,3% do total de domicílios, passando a 23,7% em 2014.
Blumenau deverá receber cerca de 6 mil novos moradores por ano na próxima década, fruto de um fluxo migratório positivo que vem se consolidando a partir do crescimento da economia local.
Esses dados constam de uma pesquisa encomendada pelo Sindicato da Indústria da Construção de Blumenau (Sinduscon), divulgada nesta quarta-feira (25). Clique aqui para baixar a pesquisa em PDF.

Renato Schramm, presidente do Sinduscon, afirma que o mercado imobiliário continuará crescendo expressivamente, apesar da retração da economia:
“A valorização dos imóveis em Blumenau se deve a vários fatores. Um deles é o bônus demográfico, provocado pelo aumento no número de jovens que entram no mercado de trabalho e passam a morar fora da casa dos pais. Além disso temos o aumento da renda e a verticalização, que resulta em opções de moradias a custos mais acessíveis”.

Valorização do Centro
Renato Schramm destaca que nos próximos anos haverá ainda um grande volume de apartamentos sendo lançados em áreas próximas ao Centro, como Alameda, Jardim Blumenau, Vila Nova, Victor Konder e no em torno da Vila Germânica.
“Havia uma noção errônea de que o crescimento deveria seguir o Norte, mas ainda há espaço para moradias na área central. Não podemos abandonar o Centro. Muitas cidades que fizeram isso viram a região central se deteriorar e agora tentam recuperá-la”.
A pesquisa sobre a situação real do mercado imobiliário da cidade e suas perspectivas para os próximos anos foi encomendada pelo Sinduscon para a Brain, empresa especializada em inteligência do setor. O estudo aponta o crescimento populacional de 1,75% ao ano, estimando uma população de aproximadamente 400 mil habitantes em 2020.  
Em cinco anos, haverá cerca de 143 mil domicílios em Blumenau, com queda no número de moradores por domicílio, que era de 3 pessoas em 2010 e será de 2,5 até 2020. O levantamento projeta, também, um aumento da população economicamente ativa, o que favorecerá o mercado imobiliário.
Além disso, entre 2015 e 2020, a procura por imóveis irá corresponder a apartamentos, fazendo girar cerca de 1,9 mil unidades por ano. A crescente busca por apartamentos está relacionada às características geográficas da cidade (morros e enchentes), que reduzem o número de áreas habitáveis, e com o aumento populacional estimado.
Para este ano, com a instabilidade do cenário econômico nacional, o momento é de cautela e, por isso, a procura por novos imóveis ficará abaixo do potencial. A oferta deve acompanhar a demanda real com consequente evolução de preços compatíveis com a inflação.
Contudo, apesar dos obstáculos macroeconômicos, a pesquisa prevê que a compra de imóveis na cidade continua sendo um bom investimento. “Blumenau conta com indústrias fortes, baixos níveis de desemprego e economia crescente, isso atrai um fluxo positivo de migrantes”, afirma Marcelo Silveira, diretor do Sinduscon Blumenau e um dos coordenadores dessa ação.

Fonte : Jornal de Blumenau

domingo, 22 de março de 2015

Vídeos de divulgação da Frechal usam drones

Dois vídeos postados pela Frechal Construções e Incorporações mostram o status de dois empreendimentos da construtora, o Fortaleza de Sagres no bairro Fortaleza e o Residencial Piaget Residencial no bairro Itoupava Seca.
Ambos usam drones para captar as imagens e rendem belas panorâmicas de Blumenau :





Em dezembro do ano passado a construtora já havia utilizado drones para divulgar o empreendimento Magnus Park no bairro Garcia :


quinta-feira, 19 de março de 2015

Residencial Monte Miletto - Itoupava Seca

A Torresani Empreendimentos Imobiliários lança em Blumenau na rua Iguape, 255, bairro Itoupava Seca, o Residencial Monte Miletto em torre com 13 pavimentos e apartamentos de 3 suítes, 3 dormitórios com 2 suítes e 2 dormitórios com suíte, além de coberturas horizontais com terraço e ofurô.



O condomínio :
- Piscina
- Fitness
- Salão de Festas
- Brinquedoteca





Os apartamentos :






Localização :



Mais um belo lançamento na rua Iguape (fundos do campus I da Furb, ao lado do Condomínio Piaget da construtora Frechal e em frente ao La Spezia Residence da construtora Bella Cyntra). A rua que inicia na Vila Nova e termina junto à garagem da Auto Viação Catarinense tem se tornado destino de vários empreendimentos, como por exemplo o Edifício Comendador Osvaldo Fiedler da construtora Batestal e o Residencial Selma Fiedler da construtora Oma. 

Todas as imagens aqui mostradas foram retiradas de material de divulgação e são ilustrativas. Consulte o memorial descritivo para saber o que compõe imóvel entregue. Maiores informações junto à Imobiliária L.Fernando no site ou no telefone (47) 3035-7200.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Skyline noturno de BC

Impactante o skyline noturno de Balneário Camboriú. Mostra ainda mais a imponência do Millenium Palace, edifício mais alto do Brasil com 177 metros de altura e sua mini torre iluminada. Orgulho de BC !





Fotos : Instagram daniellunelli

Abaixo um vídeo feito por um drone que mostra a imponência do skyline e algumas imagens do Millenium Palace.


quarta-feira, 11 de março de 2015

Prefeitura de Balneário Camboriú quer colocar cidade na rota dos cruzeiros

Local onde vai ser construída a nova marina. Foto: Marcos Porto / Agencia RBS
Balneário Camboriú pode se tornar o novo destino turístico dos transatlânticos que navegam pela costa brasileira. A prefeitura quer aproveitar o píer da nova marina que será construída pela Bontur na Barra Sul para receber os passageiros dos cruzeiros. Como não há calado para os navios atracarem, a ideia é que, assim como ocorre em Porto Belo, as embarcações ancorem em alto-mar, nas proximidades da Ponta da Aguada _ morro do Unipraias_, e os passageiros sejam levados em pequenos barcos, conhecidos como tênderes, até o píer. 

A Bontur, que tem como um dos sócios o empresário Julio Tedesco _ proprietário da Tedesco Marina_, protocolou no início da tarde desta terça-feira na Secretaria de Planejamento o projeto arquitetônico do empreendimento. Conforme o secretário da pasta, Fábio Flor, o projeto já dispõe de todas as licenças necessárias, faltando apenas o alvará da prefeitura para a obra ser liberada.

Com a aprovação do projeto arquitetônico pelo departamento técnico do Planejamento, Tedesco prevê que as obras comecem em no máximo 60 dias, para que a nova marina possa estar operando já na próxima temporada.

- Assim que as obras sejam iniciadas, vamos ofertar Balneário Camboriú com toda a sua infraestrutura e mercado turístico para as operadoras de cruzeiros- afirmou o prefeito, Edson Piriquito, na tarde desta terça-feira por telefone.

Além do píer, a nova marina vai ter mais de 70 vagas e vai comportar navios de até 200 pés. Segundo Tedesco, o investimento realizado será entre R$ 10 milhões e R$ 12 milhões.

- A nova marina vai lembrar as de Mônaco (principado europeu) e Punta Del Leste (Uruguai). Ao andar pelo molhe da Barra Sul, as pessoas ficarão de frente, vão poder ver os barcos muito de perto - disse o empresário.

A Barra Sul receberá os milhares de turistas que chegarão em BC pelos navios.
Para receber os transatlânticos, além de convencer as operadoras de cruzeiros, a prefeitura vai ter de obter as autorizações necessárias. A Marinha e a Secretaria de Patrimônio da União (que responde pelo uso dos espelhos d'água), por exemplo, até o momento só liberaram o funcionamento da nova marina. 

Apesar disso, o comandante da Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí, José Sávio Feres Rodrigues, explica que quando o navio fica fundeado em alto-mar as exigências são menores.
- Teremos de avaliar se há calado na Ponta da Aguada para os transatlânticos ancorarem e se a presença desses navios vai comprometer a navegabilidade no local - esclarece.

De acordo com Piriquito, a prefeitura detém uma carta náutica do local que aponta cerca de 13 metros de profundidade.
- Com a ajuda de mergulhadores que contratamos, comprovamos que o calado no local comporta os navios - garantiu.

Para o secretário de Planejamento, a nova atividade iria atrair consumidores altamente qualificados para Balneário Camboriú.
- A capacidade de incremento para a economia da cidade seria muito grande - observa.


A Bontur obteve em 2013, por meio de licitação, concessão de 20 anos para exploração das águas que contornam o Molhe da Barra Sul junto à Secretaria de Patrimônio da União. (Colaborou Dagmara Spautz)

Reportagem : Camila Guerra
Fonte : O Sol Diário

Por isso que BC é a cidade mais cosmopolita de Santa Catarina. Orgulho dessa cidade que será referência para o Brasil.
Go BC, Go !

Construtora chinesa consegue erguer arranha-céu de 57 andares em 19 dias

Em 19 dias o arranha-céu ficou pronto ! Foto : reprodução Youtube
A construtora chinesa Broad Sustainable Building, especializada em edifícios pré-fabricados, conseguiu erguer um arranha-céu de 57 andares em apenas 19 dias na cidade de Changsha, segundo destacou a empresa em seu site oficial.
Em um vídeo postado no YouTube, a empresa com sede nessa mesma cidade mostra em câmera acelerada como se desenvolveu a construção, na qual os operários conseguiram montar três novos andares a cada dia.




O edifício, de 186.000 metros quadrados, com capacidade para 800 apartamentos e espaço de escritórios para 4.000 pessoas, é o mais alto já construído pela companhia, famosa no país por outros feitos similares.

Em 2010 a empresa construiu um hotel de 15 andares em 48 horas e no ano seguinte conseguiu o que até agora era sua maior conquista, outro hotel de 30 andares que levantou em 15 dias.

Segundo um dos arquitetos da companhia, Zhang Xianmin, a construção em módulos é, além de rápida, muito mais sustentável que as técnicas convencionais, já que "reduz o uso de cimento em uma quantidade equivalente a 15.000 caminhões".

"Isso quase elimina a emissão de pó no ar, algo muito importante em uma China muito afetada pela poluição", destacou o arquiteto, que também ressaltou a eficiência energética de um edifício que economiza o equivalente a 12.000 toneladas de dióxido de carbono frente a arranha-céus de seu mesmo tamanho.

A Broad Sustainable Building é a construtora que se propôs a construir, também na cidade de Changsha, o que seria o arranha-céu mais alto do mundo, a chamada "Sky City", de 220 andares.

Fonte

Ainda assim com melhor design do que a alvenaria estrutural feita no Brasil !

terça-feira, 10 de março de 2015

Dubai vai construir museu de tecnologia de tirar o fôlego


Dubai sempre oferece uma surpresa arquitetônica para deixar o mundo boquiaberto. Depois do Burj Khalifa, o hotel mais alto do mundo, e das Palm Islands, maior conjunto de ilhas artificiais do planeta, é a vez da cidade receber o Museum of the Future, focado em tecnologia e que vai custar US$ 137 milhões (por volta de R$ 431 milhões). Anunciado nesta semana pelo Sheikh Mohammed bin Rashid, primeiro-ministro e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, o Museum of the Future deve ser aberto em 2017 e vai incentivar designers, pesquisadores, cientistas e empresários a desenvolver novas tecnologias.

As áreas de exibição do museu serão usadas para mostrar as novas invenções, enquanto grandes empresas de tecnologia vão usar o espaço para apresentar seus lançamentos. Segundo informações do jornal “The Nacional”, de Abu Dhabi, o museu vai ser construído perto da famosa avenida Sheikh Zayed Road e parte de sua estrutura será erguida usando impressoras 3D em vez da construção tradicional. Essa é uma das muitas grandiosidades que a cidade promete trazer nos próximos anos.

Em outubro do ano passado, Dubai anunciou a construção das torres gêmeas mais altas dos Emirados Árabes, que tirarão o posto do Burj Khalifa, também em Dubai e atual recordista. Lembrando também que a top arquiteta Zaha Hadid já está encarregada do projeto do novo e poderoso hotel ME Dubai, da rede Meliá, que será inaugurado em 2016. Viva o futuro!

Confira o vídeo do projeto.




Fonte

No futuro, cultivaremos alimentos na parede de prédios ou em caixas dentro de nossas casas

 

Se nosso planeta vai receber mais quatro bilhões de habitantes até o final deste século, precisamos encontrar formas criativas de nos alimentarmos. Uma opção é transformar prédios em fazendas e cultivar alimentos no ar.

Ambas formas são radicais e envolvem aeroponia: um método originalmente desenvolvido pela NASA para plantar comida no espaço. Plantas aeropônicas não precisam de terra arável ou solo, apenas de água mineral. Defensores do método dizem que controlando o ambiente de forma apropriada, a aeroponia poderia reduzir dramaticamente a energia gasta com agricultura, eliminar pesticidas e fertilizantes e aumentar a densidade dos nutrientes dos produtos da colheita.

Imagem : Paul Goings
Mas essa fazenda high-tech funcionará em larga escala para alimentar cidades inteiras, ou os vegetais aeropônicos serão alimento exclusivo de nerds bem informados (e com dinheiro)?

Otimizando crescimento

Para Caleb Harper, fundador da CityFARM do MIT e pioneiro no desenvolvimento de fazendas tecnológicas, que tem anos de experiência no design de prédios ambientalmente amigáveis, o mundo é um lugar bagunçado e indisciplinado para plantar. Dentro dos confins de um prédio, todo recurso que uma planta precisa — desde CO² até água e luz — pode ser precisamente monitorado e controlado para maximizar a produção e minimizar gastos.

Imagem : CityFarm
Na CityFARM, a “fábrica de plantas” do Media Lab do MIT, brocólis, morangos, alfaces e pimentas suspendem-se em prateleiras empilhadas nas paredes de vidro. Conforme explica Harper, quando as plantas são suspensas no ar e borrifadas com um spray super fino, pequenos cabelos florescem das raízes, aumentando a área disponível para captação de nutrientes.

“Essa forma de cultivo permite às plantas ativarem todo o sistema da raiz”, diz Harper. “No solo, a planta cava em volta de si mesma e espera, o que não contempla toda a sua capacidade para obter água e minerais. Com a aeroponia, você pode fazer a planta crescer muito mais rápido”.


Buscando otimizar por completo o ambiente de crescimento, a equipe de pesquisa de Harper usa ferramentas para monitorar de forma meticulosa as necessidades da colheita. Sensores conectados à plantas sentinelas monitoram sinais vitais como turgidez das folhas; essa informação é enviada aos computadores e usada para determinar exatamente quando e por quanto tempo as plantas serão borrifadas. Essa água borrifada contém porções precisamente distribuídas de todo nutriente que a planta precisa — nitrogênio, fósforo, potássio, entre outros. Harper afirma que essa forma de cultivo é de 70% a 90% mais eficiente que métodos de irrigação tradicional, com potencial para alcançar até 98% de eficiência.

Quando água e nutrientes são disponibilizados em abundância, o crescimento da planta geralmente fica limitado pela luz. A CityFARM quebra essa barreira ao fazer uso de de lâmpadas LED para aumentar a quantidade natural de luz solar. As luzes LED são direcionadas às porções azul e vermelha do espectro visível que a planta usa para a fotossíntese. Na natureza, as plantas já passaram por diferentes ondas de luz até formar essa parte fotossensível. Heliospectra, a companhia que produz as lâmpadas da CityFARM, acredita que o Sol é coisa do passado (!) e que com lâmpadas bem calibradas, muitas plantações não vão nem precisar dele.


O experimento pode ser de pequena escala no momento, mas, até então, os resultados têm sido anormalmente bons. As plantas da CityFARM crescem de três a quatro vezes mais rápido do que cresceriam na natureza, em um ciclo de 30 dias, 365 dias por ano. Colheitas do prédio de cerca de 6 metros quadrados já providenciaram alimento para todos os 300 funcionários da Media Lab.

Comida e o Futuro

Imagem : Wikimedia
Não há como negar o talento tecnológico exposto na CityFARM. O mesmo vale para outros conceitos de fazendas internas, como o jardim aeropônico do aeroporto de Chicago. Mas estes sistemas funcionariam em maiores escalas? A tecnologia apresenta alguns desafios. Qualquer pessoa interessada em cultivo aeropônico terá que comparar os benefícios do cultivo com o custo que terá para implantar a tecnologia.

“Estamos prestes a elevar o cultivo para produtos de alto valor — você já vê farmacêuticas e companhias de cosméticos fazendo uso dessas técnicas”, diz Harper. Ele prevê que plantas e vegetais que são caros em mercados e fáceis de cultivar, como vegetais folhosos, ervas e frutos fora da estação serão os próximos a adotarem a técnica. Intensificar essa produção pode ser economicamente viável se os sistemas aeropônicos puderem fazer uso das já existentes paredes de vidro dos grandes prédios. Uma possibilidade que a CityFARM já explora.

Uma opção radicalmente diferente seria restringir a produção. O último projeto de Harper envolve construir caixas de cultivo onde qualquer aspecto do ambiente da planta é precisamente monitorado e controlado. Ele a chama de “computador pessoal para comida”.

“Dentro caixa nós criamos o clima: tudo desde o CO² ao oxigênio até temperatura e umidade”, diz Harper.

Uma pequena berinjela cultivada por aeroponia. Imagem: Ben Yanis
O sabor de uma planta é tão derivado da genética quanto do ambiente em que ela cresce. Ao determinar todos os fatores ambientais, ele imagina que cada usuário poderá produzir “vegetais customizados”, com receitas que podem ser salvas, armazenadas e compartilhadas com o restante do mundo.


“Assim que você cultivar, digamos, um tomate, você recebe a informação da receita”, diz Harper. “Essa receita é exatamente a quantidade de CO², água e luz que foram usados. Então você liga para seu amigo, ele baixa a receita para a caixa dele e aperta o play. Ele então poderá saborear o mesmo tomate que o seu — a mesma textura, cor e sabor”.

É claro, essa caixa que permite a você e seu amigo cultivarem vegetais idênticos de lados opostos do mundo está de ser o que precisamos para alimentar uma cidade. Mas Harper acha que este “computador pessoal” é só o começo.

“Digamos que você tenha 10.000 dessas caixas espalhadas pela cidade. Como produtos, o uso individual e valor deles é muito limitado”, diz. “Mas se eles puderem se comunicar, eventualmente, teríamos um computador de distribuição de alimentos. Parte do meu trabalho é, inclusive, entender o que isso significa”.


Pode levar décadas até que cultivar milho e trigo em prédios — e a as caixas de alimentos — se tornem comuns. Mas a ideia cultiva o desejo de reinventar a agricultura de uma forma compatível com a vida urbana e moderna. Hoje, cada caloria consumida por um americano equivale a 10 calorias de combustível para produzir e encaminhar da fazenda para a mesa. Se Harper estiver correto sobre estes métodos de cultivo diminuírem o consumo de energia em até 80%, seria uma vitória para o meio ambiente como um todo.

Fonte : Gizmodo

O ser humano é muito criativo e adaptativo quando não está usando sua criatividade para sua autodestruição. 
Chegará o dia em que grandes edifícios poderão ser totalmente sustentáveis e inclusive produzir comida para todo um bairro por exemplo. Não quer dizer que a comida no futuro será barata, muito pelo contrário.

sábado, 7 de março de 2015

Edifício Dallas - Salto

A Speranzini Engenharia lança em Blumenau na rua Bahia, 230, bairro do Salto (próximo à Praça dos Músicos), o Edifício Dallas, em torre com 15 pavimentos com apartamentos de 2 dormitórios com suíte.



O Edifício
- 03 apartamentos por andar
- Hall social e salão de festas decorados
- Playground
- Acesso para portadores de necessidades especiais
- Portão e porteiro eletrônico
- Sensores de presença e lâmpadas econômicas em áreas comuns
- Acabamento externo em textura
- Gás central
- Cisterna para captação de água da chuva *para lavação de garagens, calçadas e jardins


Salão de festas

Os Apartamentos
- Sala de estar/jantar
- Sacada com churrasqueira e ponto de água
- Pintura acrílica fosca
- Hidrômetro Individua
- Infraestrutura para Split


Living do apartamento (ilustrativa)



Localização :



Empreendimento com bom custo-benefício próximo do campus 2 da Furb e ótima infraestrutura urbana.
Todas as imagens foram retiradas do site do empreendimento e são ilustrativas. Consulte o memorial descritivo para saber o que compõe o imóvel entregue. Maiores informações junto à Imobiliária Habitação no telefone (47) 3322 8921.